Esclarecendo a verdade sobre o racismo

Primeiro é preciso esclarecer alguns conceitos antes de falar de racismo:

  1. Racismo: Quando você acha que preto é diferente de branco, branco é diferente de índio, índio é diferente de japonês, etc.
  2. Preconceito racial: Quando você atribui valores a uma raça, por exemplo: Preto é pobre, índio é preguiçoso, japonês é estudioso.
  3. Discriminação racial: É quando você usa estes valores para julgar uma pessoa independente da pessoa em si. Por exemplo, preto é pobre, se alguma coisa foi roubada deve ser um preto pois o branco tem dinheiro da comprar. Não importa se o branco tinha mais oportunidade ou motivo, não é a pessoa, é a cor da pele.

O que temos mais no Brasil é preconceito racial, principalmente associando preto a pobre. Se um preto está de terno dirigindo um carrão ele é tratado como motorista não como dono. Se ele está em uma empresa é sempre confundido com o empregado, nunca o dono. Etc.

Este preconceito, como qualquer outro preconceito tende a sumir assim que é esclarecido, depois que você descobre que está falando com o dono da empresa sua atitude muda, não importa a cor da pele.

Veja só esta entrevista:

 

O Racismo mesmo de achar que somos diferentes já foi bem menor, mas hoje em dias com estas campanhas “contra o racismo”, só piorou. Agora todo mundo acha que pretos e brancos são diferentes. Mas quando você vai conviver com as pessoas nota que tirando os radicais chatos a maioria entende que o Brasil não é feito de pretos e brancos mas de um enorme degradê e acaba convivendo bem, embora cada dia menos bem devido a polarização.

Já a Discriminação racial se você fizer um estudo de fato vai ver que o único lugar onde existe discriminação são nos presídios onde o numero de pretos é maior. Em relação a salários, assassinatos, escola, etc não tem discriminação. O que existe são grupos que ganham dinheiro para “acabar com o racismo” mas que não querem acabar com o racismo senão ficam sem dinheiro, então inventam pesquisas absurdas.
Link para você entender estas pesquisas: O Pardo de Schrödinger:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *